terça-feira, outubro 20, 2009

Encarnando a personagem





Idéias sem caule (por Cláudia Rocha em Outubro 2009)

Preciso de um amor preto e branco
Diferente do vermelho dos seus membros
Que não seja apenas leve com as mãos
e bem lento
Mas que provoque um certo arrepio
Como se roçasse uma folha em cada poro
Mas que essa folha fosse um assopro
E a pele fosse o pensamento enorme
Que nos reveste o corpo sob os lençois
Quero um amor meu de pouco tocar e mt perto
Mt tangenciado pelo quente
Mt quente e dentro
Preciso de menos vermelho e verde nesses lábios
Preciso de menos flores pelos olhos
Preciso olhar sua carne
E pensar vc: um aroma  que morde
E que deliciosa sua fome de mim
Rasgada ao meio das pernas, pelas bocas
abandonada nas pétalas dos dedos
e sermos terra em longo caule
e nos cobrindo um ao outro
façamos o sexo dos verbos e sementes
E seivas mais sublimes





Um comentário:

Giovane disse...

Piu-piiiuuu!!! nossa! cada vez que eu venho aqui e vejo algo novo eu fico mais impressionado!! quanto mais vc escreve, mais eu babo - Diretamente porporcional. rs
Bjãaoo!!